A pandemia ainda não tem uma data para encerrar. Com muito otimismo, conseguiremos passar por isso logo. Enquanto isso, podemos apontar diversas mudanças que ela trouxe na vivência das pessoas. Além disso, evidenciou circunstâncias que, antes, não estavam sendo notadas por não serem prioridade na vida da maioria da população. 

Um dos pontos de mudança foi a percepção das pessoas em relação às suas moradias. A diferença entre um imóvel e um lar foi algo notável. Principalmente, no primeiro momento de distanciamento, em que muitos adotaram o regime home office. Ficar em casa, para quem não tinha tanto costume, não foi uma experiência totalmente confortável.

Mesmo sem data de validade, a pandemia gerou mudança nas prioridades mundiais, modificando conceitos e tendências. O mercado imobiliário está muito incluso nisso. Por isso, listamos algumas das que são cotadas como tendências de moradia pós pandemia.

Como a pandemia mudou a visão das pessoas sobre onde morar

Por conta da pandemia, as pessoas passaram a se importar mais com alguns fatores, como cuidados gerais, qualidade de vida, sustentabilidade e a saúde do planeta, espaços úteis e conforto dos imóveis.

Todos esses fatores impactam o mercado imobiliário. Desde a parte de construção até a utilidade dos diversos imóveis. Algumas pessoas passaram a se ligar mais no planejamento das casas e apartamentos.

Muitas pessoas precisaram passar mais tempo em casa, notando diversos aspectos de dentro e fora. A estrutura e espaço útil da moradia passou a ser uma questão importante. O local em que o imóvel se encontra, os confortos que existem nas proximidades, a qualidade de vida que o ambiente proporciona passou a impactar diretamente na escolha da residência.

Durante a pandemia, as taxas de juros para financiamento se tornaram muito atrativas. Com a Selic a 2%, o aumento da procura por crédito imobiliário foi algo histórico. Contudo, ao mesmo tempo que muitas pessoas estavam perseguindo o sonho da “casa” própria, muitas sentiram que lhes faltava liberdade. Enquanto algumas estão investindo em seus imóveis, outras desapegaram desse sonho e buscam opções para não terem um endereço fixo.

Tendências em casa e apartamentos pós pandemia

Espaços mais estruturados

Com diversas pessoas aderindo ao home office, precisando se adequar ao EaD, a necessidade por espaços específicos de um imóvel para isso se mostrou forte. Perceber que o imóvel precisa de uma estrutura bem definida para que os habitantes consigam trabalhar ou estudar em um ambiente adequado foi uma questão que a pandemia trouxe.

Por mais que existissem alguns profissionais seguindo uma tendência de trabalho remoto, a pandemia acelerou isso. Muitos perceberam que não é apropriado estudar ou trabalhar do sofá, sem uma mesa própria e uma certa estrutura. É necessário ter um espaço específico para isso e horários também.

Dentro dessa tendência, também é possível notar alguns condomínios residenciais se adaptando a essa necessidade e oferecendo espaços para coworking. Geralmente, são construções em que os imóveis são menores, sem muitos cômodos ou os que recebem pessoas por temporada. É uma facilidade que entra na tendência dos espaços estruturados.

Espaços verdes

Uma das propagandas que ficou famosa durante o meio de 2020 foi de um marketplace mostrando como as vendas de equipamentos e materiais de jardinagem aumentaram. 

Foi relatado em pesquisas e entrevistas que muitas pessoas sentiram falta da natureza enquanto estavam cumprindo as medidas de restrição, quarentena e todo o distanciamento social.

Sendo assim, vários imóveis tiveram espaços, como varandas, adaptadas para serem mais verdes. As hortas verticais, pequenos jardins ou até vasos grandes de plantas foram instalados nos lares de todo o Brasil. 

Um pouco relacionado com isso, houve uma crescente nas buscas por imóveis nas regiões do interior ou que tivessem, pelo menos, um acesso a áreas arborizadas, parques próximos etc.

A pandemia ainda está trazendo diversas lições sobre onde moramos e o conforto presente em nossos lares. Algumas tendências foram geradas e aceleradas através das vivências e percepções durante esse período. Talvez, até o final dela, ainda apareçam algumas novas em relação ao mercado imobiliário.

E aí, gostou do conteúdo? Caso queira saber mais novidades sobre esse assunto e outros relacionados, acompanhe nosso blog!