Investir em imóveis tem se mostrado uma atividade lucrativa a longo prazo. Ao longo dos anos, a chance de um imóvel manter ou aumentar de valor é muito alta. Portanto, o risco de se ter prejuízos é baixo.

Há uma certa segurança no investimento em imóveis que demais investimentos podem não proporcionar. Mas o que é necessário saber para investir nesse ramo?

O que é o investimento imobiliário?

Pela definição, qualquer investimento é uma “aplicação de recursos, tempo, esforço etc. a fim de se obter algo”. No caso, você investe dinheiro em um imóvel para obter um tipo de lucro.

As formas de compra já são variadas. É possível comprar um terreno, imóvel ou imóveis em fundos imobiliários. Todas as alternativas representam opções de investimento que é possível obter uma renda a curto ou longo prazo. 

Não há uma faixa de preço determinada para se fazer o investimento. Existe desde um mercado com imóveis mais econômicos até um de mais luxo. Dentro disso, existem os investidores que se especializam em um tipo só, e os que diversificam os mercados. 

Os fatores que necessitam de atenção são: a sua expectativa e suas necessidades. Delimitando estes dois, fica mais fácil de se planejar.

 

Investimento direto

Investimento direto é quando se compra o imóvel para que tenha um retorno. O retorno pode ser pensado a curto prazo, como aluguel, que gera uma renda mensal, ou a longo prazo, revendendo-o.

É a modalidade mais comum e conhecida desse tipo de investimento. Talvez por visualizar o bem físico e conseguir negociá-lo você mesmo.

Após a compra do terreno ou imóvel, existem algumas formas de rentabilização:

  • Aluguel: o investidor compra o imóvel e o disponibiliza para um terceiro alugar. Assim, há uma renda mensal garantida.
  • Aluguel por temporada: o imóvel comprado é localizado em uma área movimentada durante certa época do ano ou em uma cidade turística que é visitada o ano todo. Esse imóvel é disponibilizado por dias ou semanas para inquilinos. Dependendo da taxa de ocupação, é possível faturar o mesmo – ou até mais – que um aluguel comum.
  • Revenda: a pessoa compra o imóvel, geralmente na planta, para revender em seguida.
  • Gestão ativa: apesar do nome diferente, é bem conhecida pelos brasileiros. A pessoa compra o imóvel, o reforma, a fim de melhorá-lo, e revende por um valor mais alto. Esse valor, geralmente, representa o custo do imóvel somado ao gasto com as melhorias. 

 

Investimento em fundos imobiliários

Falar a respeito de fundos imobiliários parece complexo. Muitas pessoas acreditam que é um tipo de investimento para pessoas mais experientes ou até mesmo com mais dinheiro, mas não é bem assim.

Fundo imobiliário é uma forma de investir no mercado sem ter que adquirir, propriamente, um imóvel. Funciona como um condomínio. Vários investidores aplicam seus recursos em um conjunto, que vai pode ser locado ou arrendado. Os ganhos são divididos entre os investidores, de acordo com a proporção que cada um participou. Geralmente, o dinheiro é usado para construção ou aquisição de imóveis para um fim determinado.

O valor do patrimônio é dividido em cotas. O investidor compra essa fração do fundo. Contudo, não exerce direito algum sobre o imóvel nem responde por obrigações relacionadas a ele. Isso cabe à instituição financeira responsável pela carteira.

   As cotas têm valores muito diversos. É possível adquirir uma com menos de 100 reais. Contudo, é necessário checar as taxas que a corretora pode cobrar. Existem taxas de administração, gestão, negociação. O investidor precisa procurar a respeito.

Por que investir em imóveis?

Agora que já apresentamos as formas de investimento, você vai saber mais sobre os motivos que levam a investir.

  • Valorização

O constante aumento populacional ocasiona em uma procura por imóveis. Todo mundo precisa de um lugar para morar, então a demanda é grande. A indústria não é capaz de produzir a ponto de atender toda essa demanda.

Se optar por comprar um imóvel, tente observar a região e a possibilidade de crescimento que ela pode ter. Um dos pontos a pesquisar pode ser planos do poder público e privado em relação à região. Por exemplo, construções de hospitais, shoppings, escolas. Tudo isso agrega ao valor do imóvel.

  • Segurança financeira

Seja para revenda, aluguel ou com fundos imobiliários, o investimento traz segurança financeira para você ou sua família. Principalmente em casos de aluguel e fundos, você tem uma renda passiva (que não precisa de esforço).

Além disso, construir um patrimônio pode auxiliar no futuro. Caso aconteça algo sério, você pode vender ou contar com a renda do imóvel para ter estabilidade financeira. 

  • Rendimento

Segundo a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), entre 2009 e 2019 estima-se que, em média, o investimento em imóveis tenha rendido 15,3% ao ano. O cálculo é feito através de uma soma de valorização dos imóveis – 9,4% ao ano – e o retorno médio do aluguel – 5,9% ao ano.

Apesar da baixa do setor imobiliário entre 2015 e 2019, 2020 apresentou boa recuperação. Com as taxas de juros baixas, muitas pessoas viram a oportunidade de investir agora.

O Brasil tem uma taxa de déficit habitacional alta. Então, mesmo com diversas pessoas comprando imóveis ou com uma crise, ainda haverá demanda. 

Como escolher o melhor? Isso depende de quanto você está disposto a investir, quanto tem disponível agora e suas necessidades. 

Aqui vão algumas dicas de como começar a investir:

Pesquise Sempre

Pesquise bastante a respeito das opções disponíveis. Veja quais entram melhor na sua ideia de investimento, suas preferências e as oportunidades. Pesquise sobre tipos de imóveis disponíveis, bairros em que estão localizados, prospecção de valorização, e tudo que envolve este cenário.

Caso opte por fundos imobiliários ou consórcios, busque corretoras, administradoras de carteiras, entenda as taxas. Se possível, converse com pessoas conhecidas que já fizeram este tipo de investimento para saber sobre a experiência delas.

Se o investimento for feito em um imóvel diretamente, veja as opções de pagamento, as taxas, juros, documentos necessários etc. Dentro desta opção, procure por imobiliárias, construtoras, incorporadoras que são confiáveis. 

Entenda um pouco sobre o mercado imobiliário

Provavelmente, na pesquisa, você já tenha se decidido para o tipo de imóvel e localidade que quer investir. Agora, procure entender a respeito do mercado imobiliário da região para saber qual é o melhor momento para investir.

Faça uma avaliação de curto, médio e longo prazo, com o potencial do lugar. Pesquise sobre empreendimentos, segurança, políticas públicas e privadas direcionadas à região. 

Dois pontos correlacionados a se observar são: a quantidade de construções e de imóveis à venda. Muita gente construindo é um ponto positivo, enquanto muitos imóveis para vender na mesma região não é algo bom.

Se planeje 

Não aja por impulso. Apesar de um imóvel, muitas vezes, parecer uma oportunidade, pode acabar te atrapalhando. O mais indicado é se planejar antes de fechar um negócio.

O planejamento é necessário para que você tenha maior segurança. Após uma pesquisa profunda, entendimento a respeito das opções e escolha em que irá investir, planeje toda a forma de investimento. 

Veja qual a sua disponibilidade, suas prospecções, quanto tempo você pretende se comprometer com o investimento, quanto pode gastar, todas essas questões precisam ser passadas “pro papel” ou para uma planilha.

O planejamento evita que você gaste mais do que pode. Inclua nele, também, uma reserva financeira. É um ponto necessário para possíveis emergências ou gastos de última hora. Ela faz com que seus recursos não se esgotem. 

 

A Front Imobiliária tem algumas opções para investimento. Além de imóveis já prontos, disponíveis para compra, possuímos um catálogo para quem deseja investir em imóveis modernos e bem localizados. 

Se interessou? Entre em contato conosco. Um de nossos corretores especializados poderá sanar as suas dúvidas e dar uma indicação de acordo com suas necessidades.